sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Comecei com aulas de aquarela e...

Nenhum comentário
Alou! Há quanto tempo não venho aqui? Não, não vou nem olhar a última data da postagem para contar os dias. uhahuahua

Enfim, nesse mês eu, enfim, criei vergonha na cara e comecei um curso se aquarela.
Se você acompanhou o blog no passado, se lembrará de alguns horrores que pintei, como:

E esse daqui foi numa aula de aquarela do FIQ ein!?
Depois dessas primeiras tentativas (usando tintas da Pentel), eu fiquei ultra frustrada com a aquarela e decidi que ela, definitivamente, não servia para mim.

De 2015 em diante eu não voltei a tocar mais nessas tintas endiabradas, mas eis que esse ano o Black Ink daqui de BH ofertou o curso em horário diurno (amém!) e eu pude me inscrever.

Inscrevi desesperançada, admito. A aquarela é um pequeno nêmesis que me persegue em consecutivas falhas e volta e meia me lança na cara a frustração de não dominá-la.

Enfim, bla blá blá, fiz minha inscrição e as aulas começaram.
Esperei o primeiro dia para descobrir mais sobre a lista de material, crente que eu já tinha tudo o que pudesse ser necessário (estojo talens, uns pinceis tigre e o bloco de papel Montval que comprei em 2015 pro curso de aquarela que fiz no FIQ).

Mas nãaaaao, nada disso servia (mentira, eu ainda uso o Montval). O professor (que é um doce de pessoa, obrigada) explicou as razões pra gente não depender desses materiais mais baratos (sim, os que eu tinha) e usar coisas de qualidade mesmo para o treino, para sentirmos a diferença.

E lá fui eu comprar os materiais e ver todo o meu dinheiro escorrer pelo bolso furado da calça.
 

A lista básica era:
- Tintas em 4 quatro cores (recomendação de Van Gogh e Cotman):
  • Terra Siena Queimada (marrom);
  • Vermelho;
  • Amarelo;
  • Azul Prussia.
- Papel Fabriano A2 (não vale o acetinado, justamente o que comprei na leseira);
- Pincéis tam. 4 , 6 e 10 (Comprei sintético because of $$ reasos, mas a indicação era pra pelo de marta);
- Um godê fechado (aproveitei o que eu já tinha);
- Fita crepe pra segurar o papel na mesa
- etc;

Aula vai, aula vem, vou mostrar para você o meu progresso:

Aula 1 

Aula 2

Aula 3

 Aula 4 (ontem)


Pois é, ainda to longe de fazer algo descoladão, mas, comparado com aqueles dois que postei lá em cima, já dá para ver uma diferença boa, não é?

NÃO

Infelizmente eu continuo bem frustrada com a pintura. Mas ontem, depois de muito refletir no ônibus (naquelas cenas em que o busão vai andando pela cidade à noite e você encara a paisagem do lado de fora com o rosto gélido), entendi que meu maior problema na aquarela é a meu apego à necessidade de controle.

Todos os outros meios de ilustração obedecem à minha vontade com precisão.
Se pego um lápis vermelho e risco, sai um risco vermelho.
Mas, se eu pego o pincel de aquarela vermelho e risco, sai tudo nesse mundo, menos o bendito risco aquarelado.



E não tem nenhum problema nisso, mas eu ainda não consigo absorver e incorporar toda essa liberdade na hora de pintar.

Enfim, posso terminar o curso sem saber fazer os trem direito, mas acho que, pelo menos, é uma pequena oportunidade para treinar minha paciência e ansiedade. uhahauhauh

Vamos vendo.

Nenhum comentário :

Postar um comentário